Saiba como é feita a migração de data centers para a nuvem

Home Big Data
Saiba como é feita a migração de data centers para a nuvem
migração de data centers

Saiba como é feita a migração de data centers para a nuvem

O cloud computing é uma alternativa poderosa, e cada vez mais utilizada em diversas esferas das operações empresariais. Nesse cenário, a migração de data centers para a nuvem representa uma ótima alternativa para ganhar escalabilidade sob demanda e, ao mesmo tempo, eliminar gargalos no orçamento. Mas será que esse modelo pode trazer benefícios para o seu negócio?

Confira, a seguir, as principais informações sobre como implementar e os motivos para investir na estratégia. Boa leitura!

O que é a migração de data centers para a nuvem?

A migração de data centers para a nuvem ou moving de ativos de TI, como também é conhecida, nada mais é do que a transferência dos dados e sistemas corporativos para um novo ambiente, que funciona com a tecnologia do cloud computing.

Normalmente, essa demanda surge em virtude do crescimento no fluxo de operações da empresa e da necessidade de garantir maior disponibilidade de infraestrutura para manter uma alta performance.

Entretanto, com a transformação digital, migrar para a nuvem tornou- se uma condição obrigatória para quem deseja usufruir de todas as vantagens do universo online. Hoje, é uma questão de sobrevivência. O processo envolve elementos como: 

  • servidores
  • CRM; 
  • ERP; 
  • e-mail; 
  • roteadores; 
  • switches; 
  • storage, entre outros. 

Ao contrário do que muitos podem imaginar, não se trata apenas de tirar as coisas de um lugar e levar para outro — não é como desplugar um equipamento da tomada e ligar em outra sala. A falta de planejamento pode causar muitas dores de cabeça e prejuízos para o negócio.

Quando deve ser feita?

Embora não exista um momento exato que se aplique a todas as empresas, o ideal é que essa implementação seja feita antes que sua infraestrutura se torne obsoleta. Obviamente, isso depende da maturidade digital e complexidade de cada negócio, porém existe uma certa urgência para quem deseja manter-se competitivo no mercado.

Até porque, a migração de data centers para a nuvem não se realiza de forma imediata. É preciso mapear o ambiente atual utilizado pelo negócio, identificar o escopo do projeto e, determinar os recursos que serão exigidos para colocar a ideia em prática.

Nesse sentido, outro aspecto a ser considerado são os impactos dessa estratégia, tendo em vista que ela não repercute apenas no ambiente interno. Uma vez que a empresa consegue produzir mais e melhor, pautando suas atividades em soluções inovadoras, a experiência do cliente também será aprimorada.

Então, levar o data center funciona justamente como um apoio para auxiliar nesse desempenho, e, consequentemente, na geração de valor para o seu público.

O uso de dados na nuvem não é mais uma tendência, esse modo de operar representa o futuro do mundo corporativo. Por isso, investir na mudança do data center proporcionará uma configuração única para o negócio, gerando mais oportunidades de crescimento.

A transformação digital há algum tempo já é uma realidade do mercado, e nesse mesmo sentido a migração de data centers se tornou sinônimo de fortalecimento dos pontos fortes do negócio, aliado com a descoberta de novos mecanismos para suprir eventuais falhas.

Quais as principais vantagens da migração?

A migração de data centers para nuvem é uma peça-chave para a empresa superar diversos obstáculos ao seu crescimento, bem como se alinhar às principais inovações disponíveis no mercado.

Mas quais são as vantagens que, de fato, ela agrega ao seu negócio? Para ajudar você a entender que esta é uma importante decisão para potencializar a performance da empresa, listamos alguns motivos bastante convincentes. Confira a seguir!

Aumenta a segurança 

A segurança no data center é um dos pontos que mais geram insegurança na hora de fazer a migração para a nuvem, especialmente para os gestores com pouco conhecimento acerca do tema.

Mas a verdade é que migrar para cloud computing deixa as empresas bem menos vulneráveis a ataques, quedas de sistema, entre outras falhas de proteção.

Isso porque, provedores em nuvem, via de regra, adotam políticas rígidas de privacidade, além de um conjunto de tecnologias que fortalecem a segurança da infraestrutura de um modo geral — protegendo dados, aplicações e operações.

Ademais, com a migração de data centers para a nuvem, fica mais fácil restringir o acesso de pessoas indesejadas nesse ambiente, isto é, a hierarquização de documentos, informações e programas.

Mais do que otimizar resultados, a escolha por um data center em nuvem contribui para a mitigação de riscos e prejuízos. 

Otimiza a produtividade

O aumento da produtividade nesse cenário está diretamente ligado à transferência de responsabilidades pouco estratégicas para os prestadores do serviço. Suporte, manutenção, backups, você elimina todas essas tarefas mais burocráticas e repetitivas da atividade principal do negócio.

Dessa forma, o time de TI pode focar em funções mais analíticas, buscando o aprimoramento contínuo, com a adoção de processos mais ágeis e eficientes.

Além disso, a automação em nuvem garantirá uma ampla visão de tudo que acontece na empresa em tempo real. Os dados estão sempre disponíveis na rede e podem ser compartilhados facilmente quando necessário. 

Enfim, o funcionamento da empresa fica mais assertivo, e isso reflete na melhoria de performance.

Reduz custos

Migrar para a nuvem significa eliminar a compra de hardware e software, despesas de instalação e manutenção, ou seja, diminuir uma série de despesas com a infraestrutura de TI.

Nesse modelo, a maioria dos serviços são contratados por meio de assinatura mensal. E o mais importante, a empresa paga somente pelo que consome. Assim, além de reduzir os custos operacionais, é possível dimensionar suas demandas conforme a necessidade.

Portanto, trata-se de um investimento de médio e longo prazo capaz de trazer muitas vantagens competitivas para qualquer tipo de negócio.

Oferece escalabilidade

Como mencionado, a infraestrutura de TI na nuvem é construída sob demanda. Porém a diferença em relação a um data center local não se limita a essa questão. A flexibilidade para um crescimento é um dos pontos altos para quem decide operar nesse modelo.

Isso acontece porque a tecnologia cloud oferece escalabilidade — sempre que necessário, é possível aumentar ou diminuir os recursos utilizados, como armazenamento, potência de comutação etc. Resumindo, a empresa consegue ser ágil e eficaz, ainda com as oscilações no fluxo de trabalho.

Quais as etapas do processo?

Para que a migração de data centers assegure todas as vantagens esperadas, é preciso dar atenção a alguns aspectos-chave. É claro que cada negócio possui suas peculiaridades, e não existe uma receita milagrosa que vá funcionar para todos eles. Mas as chances de sucesso aumentam ao desenvolver as seguintes ações:

Mapeamento do ambiente 

O mapeamento do ambiente é o primeiro, e um dos principais passos para uma migração de data center bem-sucedida. Sabe por que? 

À medida que novas necessidades vão surgindo na rotina empresarial, é comum que os departamentos sofram modificações e investimentos em infraestrutura, sem que o time de TI tenha um controle assertivo sobre essas ações.

Com o mapeamento, é como se tudo que é utilizado no operacional da empresa fosse escaneado — tecnologia, ferramentas, inclusive os recursos sobrecarregados e a subutilização de servidores.

Assim, a construção da estratégia será mais alinhada com o perfil e as expectativas da empresa. Você consegue determinar, com precisão, o que será migrado do seu data center, se é vantajoso manter alguns serviços na estrutura atual ou enviar tudo para nuvem.

Inventário 

A elaboração do inventário é uma tarefa que permite ao gestor conhecer e organizar todos os ativos que compõem a sua infra estrutura (equipamentos, hardware, licenças, sistemas operacionais e softwares). 

Logo, é impossível pensar em migração de data centers, sem antes dar esse passo. O objetivo desse documento é facilitar a decisão de como cada uma dessas peças serão alocadas no novo ambiente — quais os serviços e ferramentas é preciso investir, o que a empresa possui de parte física e o que já existe de processos totalmente virtuais.

Planejamento

Assim como todo projeto de grande responsabilidade, a migração de um data center exige um plano detalhado antes de iniciar o seu processo de implementação.

Isso vai garantir que os colaboradores tenham mais clareza sobre as mudanças que a empresa enfrenta, bem como seus respectivos impactos na rotina de trabalho. O planejamento garante que cada membro da equipe tenha consciência sobre o seu papel nesse desafio.

Aqui, o mais recomendado é mesclar membros de cada time com o departamento de TI, pois isso dará uma visão holística sobre as necessidades da empresa.  

A dica para obter melhores resultados é contar com o auxílio de consultores com expertise no assunto Eles vão guiar o processo de migração pelo caminho mais adequado possível, sem que ocorra desperdício de esforços e dinheiro.

Da mesma forma, é indispensável treinar os colaboradores sobre todos os aspectos da nuvem: funcionalidades, benefícios e técnicas de uso. Afinal, de nada adianta adquirir as melhores tecnologias, se os usuários não conseguem explorar o seu potencial.

Divisão dos processos

A realocação de data center envolve grande movimentação de dados, hardware, entre outras aplicações. E, levando em consideração que algumas etapas desse processo podem ser bastante frágeis, algumas divisões serão muito bem-vindas.

O fato da empresa optar pela migração para a nuvem não significa que tudo deve acontecer ao mesmo tempo. Saiba que corrigir falhas depois do sistema já implantado pode acarretar não somente mais despesas, como também prejudicar a reputação da empresa.  

Projeções

Depois de avaliar e esquematizar a realidade atual do negócio, também é importante que o gestor faça projeções sobre demandas futuras, levando em conta sua expectativa de crescimento.

Embora os serviços de nuvem sejam flexíveis e contratados sob demanda, pensar no futuro é essencial para que a empresa saiba como agir diante da necessidade de expansão do ambiente. É esse roteiro que vai indicar quais os gatilhos vão exigir novas providências.

Por exemplo, se a capacidade de processamento atingir os níveis “X“, a empresa deve executar a ação “Y”. Se o espaço de armazenamento alcançar determinada projeção, tais ferramentas serão implementadas, e assim por diante.

Para cada solução colocada em prática, é importante ter um plano para projeções futuras. Isso viabiliza períodos de crescimento mais fluidos, sem muitos atritos para os colaboradores e clientes.

Testes

Um dos maiores erros que o gestor de TI pode cometer na migração de data centers para nuvem é replicar a estrutura de redes atual, pensando que haverá compatibilidade de todos os equipamentos, dados e aplicações.

Dessa forma, o ideal é que a equipe realize um teste no ambiente que receberá a migração, a fim de verificar a conexão entre todos os pontos, analisando possíveis falhas. Um teste pré-migração do layout do data center elimina os riscos gerados por suposições equivocadas, contribuindo para resultados mais satisfatórios.

Lembrando que, o cuidado pós-migração também é essencial para assegurar a eficácia na conclusão do seu processo. Nesse teste, você deve avaliar o desempenho de todos os aspectos, como hardware, rede, dados e aplicativos, e, principalmente, a carga de trabalho das equipes em cada um deles.

Como funciona a migração de SAP para a nuvem?

Em primeiro lugar, é importante esclarecer que o SAP consiste em um sistema usado para promover a integração entre vários aplicativos. E, embora não reste dúvidas de que sua implementação na nuvem traga vantagens competitivas para a empresa, há vários desafios a serem superados. Dentre eles:

  • o momento certo de realizar essa mudança; 
  • os métodos ideais para que esse processo se desenvolva de forma tranquila;
  • o dimensionamento seguro da infraestrutura;
  • a conectividade da rede;
  • os aspectos financeiros envolvidos.

Enfim, é uma escolha que requer um planejamento bem detalhado, tal como acontece na migração do data center.

Como você pôde ver, a migração de data centers para nuvem é uma prática extremamente benéfica para os resultados de qualquer tipo de negócio, especialmente considerando a transformação digital vivenciada pelo mercado.

O segredo do sucesso nesse caso está na criação de um plano personalizado, que atenda às necessidades específicas de cada organização, além do apoio de parceiros com autoridade em computação em nuvem.

Gostou das dicas? Agora que você viu os principais passos para fazer a migração de data centers para a nuvem, aproveite para seguir a nossa página no Facebook e ficar por dentro das melhores tecnologias para seu negócio!

Receba todas novidades


    Veja mais conteúdos: