Ir para o site
  • Machine Learning

Virtualização de servidores vale a pena? Descubra!

  • Por: SantoDigital
  • mar 1, 2022
  • 8 minutos

A tecnologia é uma aliada para muitos objetivos empresariais: diminuir custos, otimizar processos, aumentar a agilidade, assegurar a vantagem competitiva etc. Essa lista é longa. A questão da segurança da informação também é parte dela atualmente. Mas os negócios não podem — nem devem — deixar de digitalizar suas operações por tal motivo. A transformação digital não pode esperar e, nesse sentido, a virtualização de servidores é um ponto-chave!

Assim, além de permitir restringir o acesso a recursos, a virtualização de servidores, como uma solução que visa garantir a separação entre usuários e departamentos, apresenta diversos benefícios para a empresa

Quer saber quais são eles? Então continue a leitura deste artigo e descubra como essa opção vale a pena para a sua empresa.

O que é a virtualização de servidores?

Apesar de parecer um conceito complexo, a virtualização de servidores pode ser explicada de maneira simples, uma vez que se trata da compartimentalização do equipamento, criando espaços virtuais únicos e isolados por meio de um software. Cada divisória passa a operar de maneira independente, sendo o acesso separado de outros que estão na mesma máquina.

O objetivo da virtualização de servidores é o de criar ambientes completos para rodar uma ou mais aplicações que necessitem de recursos específicos, como rodar sobre um determinado sistema operacional, ter uma quantidade maior de memória disponível e outras necessidades de acordo com a aplicação.

Quais são suas principais características?

Uma das características mais importantes da virtualização de servidores é a possibilidade da divisão de uma máquina física em uma ou várias máquinas virtuais e de ter sistemas operacionais diferentes e independentes instalados em cada uma delas. Ou seja, uma máquina não consegue acessar o espaço da outra, apesar de estarem no mesmo servidor físico.

Outra característica da virtualização é possibilidade de atribuir recursos diferentes a cada máquina virtual criada em um servidor. Isso significa que podemos dispor de mais espaço em disco para uma e mais capacidade de memória para outra. Também é possível determinar capacidades diferentes de processamento para cada servidor virtual criado.

Quando a virtualização de servidores é uma boa alternativa?

Existem diversas situações em que a virtualização de servidores é uma boa alternativa para a empresa. Confira algumas delas a seguir.

Diminuir a quantidade de máquinas

A virtualização é uma boa opção quando a empresa tem uma grande quantidade de servidores e deseja reduzir esse número. Além de facilitar a gestão do ambiente, ainda há a redução de custos com a aquisição desses equipamentos.

Reduzir custos com manutenção

A virtualização é uma excelente alternativa para reduzir custos com a manutenção da infraestrutura, pois os recursos do servidor físico são compartilhados entre as máquinas virtuais.

Isso reduz a necessidade de investir em melhorias técnicas para cada uma, caso elas fossem máquinas físicas. Portanto, a possibilidade de distribuição de recursos permite definir a quantidade ideal para cada máquina virtual, o que não é possível em equipamentos individuais.

Disponibilizar sistemas legados

Outro cenário em que a virtualização é uma excelente alternativa é o de eliminar máquinas utilizadas para rodar sistemas legados. Imagine que uma empresa tenha um sistema que rode em uma versão antiga do Windows. Nesse cenário, em vez de manter um servidor disponível para essa aplicação, podemos criar uma máquina virtual para disponibilizar esse ambiente e permitir a utilização do sistema.

Permitir a virtualização de desktop

Basicamente, a virtualização de desktop permite a criação de diversas máquinas virtuais que funcionam como computadores pessoais para os colaboradores da empresa. Elas podem ser acessadas remotamente e cada uma contém a privacidade e individualidade necessárias para acessar os sistemas da empresa.

Possibilitar a escalabilidade

A virtualização de servidores facilita a escalabilidade, ou seja, é muito mais fácil disponibilizar recursos adicionais para uma máquina virtual conforme a necessidade de utilização e o crescimento da empresa.

Na prática, isso é feito de forma simples e rápida, apenas modificando algumas configurações no software de gerenciamento das máquinas virtuais. Se quiséssemos adicionar memória em uma máquina física, por exemplo, seria preciso adquirir a memória e fazer a devida instalação no equipamento, o que demanda mais tempo e, em alguns casos, pode haver indisponibilidade do sistema nesse período.

Qual é a diferença entre servidor físico e servidor digital?

Para entender melhor como funciona a virtualização de servidores é importante compreender a diferença entre as opções física e digital. Não se tratando de definir qual é a melhor, mas de não misturar conceitos. Veja!

Servidor digital

O servidor digital é a conhecida computação em nuvem. Isso implica a locação da infraestrutura e de serviços de segurança, criptografia, plataforma de acesso e outros elementos. Nele, as aplicações e os dados migrados ficam salvos em uma máquina que está fisicamente fora da empresa, podendo ser acessados de maneira remota.

Nesse caso, a virtualização ocorre tanto para separar várias organizações que têm suas informações salvas no mesmo hardware quanto para segregar departamentos ou usuários de cada uma delas.

Servidor físico

O que muda no servidor físico em relação ao digital é a sua localização, pois trata-se daquele que está fisicamente na empresa e, portanto, é ela a responsável por toda a gestão da tecnologia, incluindo a virtualização, que pode ser usada de forma interna, para compartimentalizar setores ou funcionários. 

Quais os tipos de virtualização de servidores?

A virtualização de servidores pode ser feita de várias maneiras diferentes e com configurações diversas, cada tipo atendendo a certas demandas. Para saber qual é a melhor para sua empresa, confira as características de cada uma!

Completa

Essa modalidade é feita por meio de um hypervisor — software que faz a comunicação entre o disco de memória e a CPU. Ele mantém cada divisão independente e desconhecida das outras.

Paravirtualização

Na paravirtualização também se utiliza um hypervisor. No entanto, os sistemas operacionais das partições reconhecem uns aos outros, desenvolvendo uma rede que trabalha em conjunto.

No nível do sistema operacional

Nesse caso, não há o uso de um hypervisor, e sim de um recurso de virtualização — que já compõe o sistema operacional do hardware. Porém, todos os servidores virtuais ficam limitados a ele, não podendo executar outros tipos.

Do sistema operacional

Apesar do nome parecido, essa opção, diferentemente da virtualização no nível do sistema operacional, permite que vários sistemas operacionais rodem no mesmo equipamento. Mais do que isso, ela pode ser organizada com diferentes arquiteturas e aplicações variadas.

Assistida por hardware

O servidor simula componentes físicos do terminal e executa os sistemas guests no hardware do sistema host. Quanto às partições, elas podem rodar simultaneamente sistemas operacionais diferentes.

De aplicativos

Nesse modelo de virtualização de servidores, uma aplicação é separada, no meio eletrônico, dos demais arquivos e do sistema operacional em si, permitindo a sua execução por qualquer terminal e garantindo a segurança nesse processo.

Storage

A Storage é uma configuração diferente da virtualização. Ela usa um conjunto de dispositivos físicos, organizados em grupos virtuais, cujo acesso de aplicativos e usuários finais é comum.

Quais os principais cuidados durante a virtualização?

A virtualização de servidores é um processo que proporciona diversos benefícios para a empresa. Assim como em outras atividades realizadas pelo setor de TI, é preciso ter alguns cuidados ao utilizar essa tecnologia. Confira alguns deles a seguir.

Priorize a segurança 

O cuidado com a segurança da informação é essencial em qualquer recurso de TI, e com a virtualização de servidores isso não é diferente. Por isso, é importante verificar se a empresa adota às boas práticas e recomendações de segurança necessárias para proporcionar um ambiente seguro e evitar os riscos cibernéticos.

Realize processos simplificados

O processo de virtualização tende a ter a sua complexidade variável, conforme a necessidade da empresa e dos servidores virtualizados. Quanto maior e mais longa for essa atividade, mais recursos, riscos e custos estarão envolvidos. Por isso, é importante simplificar ao máximo esse processo para evitar contratempos indesejados. 

Faça o monitoramento com regularidade

O fato de uma máquina virtual ser parte de um servidor maior não elimina a necessidade de monitoramento dos recursos e sistemas designados para ela. Na prática, devemos monitorar todas as máquinas virtuais criadas, seus sistemas e o servidor físico.

Essa atividade é importante para identificar se a disponibilidade de recursos para cada máquina virtual é suficiente, se o seu desempenho está satisfatório ou se há a necessidade de algum ajuste. O mesmo monitoramento deve ser feito no servidor físico, pois ele é o provedor de recursos para as máquinas virtuais.

Ofereça treinamento à equipe

Para fazer a virtualização de servidores é preciso realizar diversas atividades, como a configuração das máquinas virtuais no software de virtualização, o monitoramento do ambiente, entre outras atividades relacionadas.

Para contar com uma equipe especializada nesse tipo de tecnologia, é importante oferecer treinamento ao time. Dessa forma, os profissionais poderão atender as solicitações com maior agilidade e eficiência

Como fazer a virtualização de servidores?

Como mencionamos, o processo de virtualização de servidores deve ser simplificado para evitar ocorrências indesejadas. Por isso, é importante seguir algumas etapas para eliminar o risco de interrupções desnecessárias. Confira os principais passos a seguir.

Desenvolva um plano

O primeiro passo é realizar um levantamento para decidir em quais máquinas será feita a virtualização e um bom planejamento para determinar e avaliar a disponibilidade dos recursos do servidor físico que serão utilizados para a realização desse processo.

Nesse momento, é preciso avaliar a carga de trabalho que será utilizada em cada servidor virtualizado. Isso é necessário para garantir o bom desempenho de todos eles. O ideal é que cada um tenha recursos suficientes disponíveis para rodar as aplicações instaladas.

Faça um cronograma

Após a realização do planejamento, é o momento de fazer o cronograma de migração. Ele é necessário, pois esse processo requer a realização de diversas atividades, como backups das máquinas, implementação, testes de ambiente etc.

Essas tarefas precisam ser acompanhadas e validadas pela equipe de profissionais especializados e pelos usuários designados para realizar a validação do sistema depois da migração realizada. Por isso, é importante montar um cronograma detalhado para garantir o comprometimento de todos os envolvidos e evitar atrasos na realização do projeto.

Providencie a infraestrutura necessária

Com base no planejamento feito e na carga de trabalho necessária, podemos estimar qual a infraestrutura necessária para atender a essa necessidade. É preciso considerar os recursos de máquina como memória, espaço em disco e demais configurações do servidor necessárias para garantir a disponibilidade do ambiente com o melhor desempenho possível.  

Avalie a performance dos sistemas e redes

Ao fazer a virtualização de servidores, é importante avaliar a performance dos sistemas e redes. Dessa forma, é possível identificar a necessidade de eventuais ajustes para que o ambiente atenda às necessidades da aplicação.

Como o Google Computing Platform (GCP) pode ajudar?

Google Cloud Platform é um serviço de computação em nuvem que serve como servidor virtual. Nele, a virtualização pode criar separações para usuários ou grupos de trabalho para as empresas que usam essa solução

As vantagens dessa opção são a escalabilidade e a capacidade de processamento, que não ficam sujeitas ao investimento em equipamentos pela organização. Nesse aspecto, o negócio reduz os custos com a infraestrutura sem perder espaço de armazenamento. 

Como fazer a migração para o modelo de virtualização de servidores?

migração começa pela escolha do tipo de servidor a ser utilizado. Para isso, o ideal é conhecer os hardwares já disponíveis na empresa. Em seguida, é preciso definir o tipo de virtualização de acordo com as necessidades do negócio.

Com essas decisões tomadas, além de um backup feito, passa-se para a etapa de reorganizar os equipamentos físicos e, se preciso, instalar um sistema operacional, bem como o software que fará a separação. Isso acontece quando o tipo escolhido é o servidor físico.

O próximo passo se trata da configuração, no modelo de virtualização escolhido, com instalação das aplicações complementares, do banco de dados e dos arquivos, além da definição do que cada máquina virtual ou grupo poderá acessar. Por fim, são disponibilizados os meios de acesso, como link na internet e senhas de usuário. Ainda, nesse ponto, ocorre o treinamento da equipe.

Afinal, por que fazer a virtualização de servidores?

Para entender se a virtualização de servidores vale a pena, basta conhecer as vantagens que justificam o porquê de realizá-la. Os principais benefícios dessa maneira de estruturar os recursos tecnológicos para uma empresa são:

  • digitalização de arquivos e organização de aplicações, limitando o acesso e garantindo a segurança das informações;
  • otimização da capacidade do hardware, gerando uma maior disponibilidade e mais eficácia;
  • redução de custos operacionais; 
  • melhoria na velocidade de execução dos softwares;
  • proteção de dados em caso de erros humanos;
  • oportunidade de implementação de trabalho remoto.

A virtualização de servidores apresenta benefícios bem consistentes para as empresas, em especial, na opção que usa o servidor virtual, como o Google Computing Platform. Desde o processo de migração até o acesso são facilitados em nuvem, ainda mais diante das diversas configurações possíveis, que permitem a resolução de limitações específicas de cada tipo de negócio.

Agora que você já sabe que a virtualização de servidores é uma boa alternativa em diferentes situações, entre em contato conosco e conheça as nossas soluções! 

Compartilhe esse artigo

Conteúdos relacionados

Newsletter Newsletter

Fique por dentro

Com a newsletter da SantoDigital, você estará sempre um passo à frente, pronto para elevar seu negócio com o poder da inovação digital.

Inscrição realizada com sucesso.