7 boas práticas para a construção de APIs mais efetivas

Home Managed Services
7 boas práticas para a construção de APIs mais efetivas
construção de api

7 boas práticas para a construção de APIs mais efetivas

Com a transformação digital, obter a máxima eficiência em processos requer o uso de um conjunto de tecnologias para atender a diferentes demandas. Um software único já não resolve todas as necessidades de uma empresa moderna. Diante disso, integrar ferramentas de diferentes desenvolvedores — com diferentes linguagens de programação —, a fim de que trabalhem juntas, passou a ser imprescindível. Nesse cenário, a construção de APIs mais efetivas e simples para o usuário faz toda a diferença.

Aproveite este artigo e descubra 7 boas práticas para isso!

O que é e para que serve a construção de APIs?

API é a sigla referente a Application Programming Interface, que, se traduzida para o português, significa Interface de Programação de Aplicativos. Trata-se de um conjunto de rotinas ou padrões de programação que permitem a construção e a utilização de uma interface inteligente configurada para que dois sistemas se comuniquem.

Basicamente, eles servem para que criadores de softwares desenvolvam tecnologias associadas a um produto ou serviço digital que já existe, permitindo a integração deles. Normalmente baseadas em plataformas Web, as APIs interligam funções para que soluções complementares rodem juntas de maneira automática.

Por que é importante buscar a otimização desde a construção das APIs?

As APIs trouxeram muitas vantagens para o ambiente digital de trabalho. Por meio delas, as soluções tecnológicas deixaram de ser meios separados, voltadas a resolver uma determinada necessidade organizacional, e passaram a trabalhar de forma conjunta, possibilitando:

  • processos contínuos;
  • mais produtividade;
  • eliminação da burocracia;
  • novas oportunidades;
  • unificação de dados;
  • aumento da interatividade.

Assim, as empresas desenvolvedoras de softwares passaram a poder fazer modificações, atualizações ou inserções de novas funcionalidades, sem precisar começar a construção do zero. Isso porque as APIs criam um caminho para obter funções de outras ferramentas, reduzindo tempo e dinheiro ao integrar uma melhoria.

Negócios em geral também se beneficiaram com a possibilidade de conectar as melhores opções para cada setor, independentemente de suas linguagens de programação, alcançando uma infraestrutura virtual completa e de acordo com suas necessidades.

Como garantir que a construção de APIs seja mais efetiva, facilitando sua utilização?

Como visto, a intenção para a construção de APIs é garantir a usabilidade integrada entre dois sistemas. Dessa forma, elas devem ser desenvolvidas pensando na efetividade e simplicidade para o usuário. Veja 7 boas práticas para tanto!

1. Invista no REST

REST é um padrão arquitetural para o design de uma interface de serviços Web em HTTP que pode ser implementado em qualquer linguagem de programação. Dessa maneira, o acesso aos recursos se torna independente.

Para tanto, as requisições e respostas entre a API e o cliente são realizadas por meio de protocolo reconhecido por ambos — geralmente Javascript ou XML. Além disso, cada recurso é separado de forma lógica com um identificador de caminho ou Uniform Resource Identifier (URI) exclusivo.

2. Tome cuidado com a semântica de seus serviços

Considerando o funcionamento do REST, os detalhes fazem toda a diferença para a compreensão dos recursos da API. Nesse sentido, a organização da semântica das URLs de acesso aos serviços, que criam um URI específico para cada recurso, é fundamental. Alguns cuidados úteis são:

  • padronize a nomenclatura;
  • tome o recurso como referência;
  • use substantivos e não verbos;
  • opte por nomes no plural;
  • estruture relacionamentos hierárquicos em sub-recursos.

3. Use HTTP Codes de forma consistente

Para realizar qualquer ação em um recurso de uma API programado em RESP, são feitas solicitações via HTTP Code. Elas são divididas em quatro métodos:

  • GET: para pedido de dados;
  • POST: para a criação de recurso;
  • PUT: para a atualização de recurso;
  • DELETE: para a exclusão de dados.

4. Utilize a criptografia SSL

Apesar de o REST se comunicar com qualquer linguagem, essa característica não deve ser uma porta aberta para invasões. Afinal, a segurança digital não deve ficar em segundo plano. Por isso, a criptografia SSL é a melhor opção na hora de proteger o acesso aos dados e serviços que a API oferece, mesmo em locais que não garantam a privacidade da rede.

5. Deixe todas as versões disponíveis

Uma característica de qualquer tecnologia, que está muito associada à gestão de projetos na área, é a melhoria constante do que é oferecido. Isso fica claro quando se pensa nas atualizações e novas versões que surgem para softwares. 

Apesar de essas renovações significarem evolução, substituir o antigo pelo novo pode ser um problema. Assim, o versionamento da API — mantendo as antigas disponíveis — pode ser feito por URL, subdomínio, Header e Querystring, servindo para:

  • não quebrar sistemas de outros desenvolvedores que ainda utilizam as versões anteriores, dando tempo para que se adaptem às mudanças ou possibilitando que continuem com as opções descontinuadas, mesmo sem suporte;
  • permitir o controle sobre quem pode usar cada versão da API e direcionar novidades ou previews.

6. Programe respostas-padrão para erros

Quando uma solicitação é bem-sucedida, a API retornará um código de status HTTP 200 – 299. Entretanto, falhas podem ocorrer, e nesse caso é importante programar respostas-padrão que abranjam o erro, seu código, mensagem e uma descrição detalhada de sua causa. Elas devem estar associadas aos HTTP Codes corretos:

  • 100-199: respostas de informação;
  • 300-399: redirecionamentos;
  • 400-499: erros do cliente;
  • 500-599: erros do servidor.

7. Aproveite a compressão 

Como a largura de banda é limitada e nem todos têm acesso a conexões velozes — fibra óptica, 4G etc. — a todo tempo ou em qualquer lugar, a solução é aproveitar técnicas de compressão para diminuir o volume das informações transmitidas. As consequências disso são muito vantajosas, tais como:

  • redução do tráfego;
  • diminuição do tempo de resposta;
  • melhoria da performance;
  • menor custo.

Como a SantoDigital pode ajudar?

Ter uma mão de obra capacitada lidando com os processos relacionados à construção e integração de APIs ajuda a superar as dificuldades que se apresentam ao longo do caminho, em migrações, adoções e outros processos.

A SantoDigital pode apoiar seu negócio nesse contexto, conectando soluções e unificando a corporação com a ajuda de APIs. Bem como, oferecendo outras tecnologias que vão permitir a empresa alcançar as vantagens no ambiente digital de negócios, otimizar custos e garantir a qualidade dos serviços de TI.

A construção de APIs é muito mais do que um conceito técnico sobre soluções que integram e comunicam diferentes linguagens de programação. Hoje, essa tecnologia representa uma estratégia capaz de gerar melhorias utilizando as ferramentas de TI mais avançadas para compor um ambiente de negócios virtual completo. Nesse sentido, as 7 boas práticas indicadas neste artigo tornam o acesso aos seus recursos mais fácil.

Quer saber mais sobre como a construção de APIs pode ser vantajosa para sua empresa? Entre em contato com a SantoDigital e otimize suas operações tecnológicas com a nossa ajuda!

Receba todas novidades


    Veja mais conteúdos:

    Há segurança na nuvem?

    Hospedagem em nuvem ou cloud computing é um dos assuntos mais frequentes quando falamos de armazenagem de dados. Também é responsável por inúmeras dúvidas de…

    Leia a matéria