Cookies na internet: veja o que mudou com a LGPD

Home Segurança
Cookies na internet: veja o que mudou com a LGPD
cookies na internet

Cookies na internet: veja o que mudou com a LGPD

Muito se fala dos famosos cookies na internet, mas nem sempre o entendimento sobre seu significado é total. Trata-se de um importante mecanismo para quem desenvolve estratégias digitais focadas em campanhas de marketing que usam os dados dos usuários. No entanto, é preciso cuidado ao usá-los, pois a nova LGPD preza pela privacidade no trato com os dados pessoais.

Este artigo traz o tema à luz. Lendo o texto, você saberá melhor o que são esses elementos, que estão presentes em praticamente todos os sites, hoje em dia. Verá qual é a serventia deles e entenderá sua relação com a Lei Geral de Proteção de Dados. Por fim, descobrirá como ficar em dia com as normas para que não sofra nenhuma sanção.

Pronto para a leitura? Então, aproveite-a!

O que são os cookies na internet?

Atualmente, quase sempre que um site é visitado, as pessoas recebem uma mensagem questionando sobre a aceitação de cookies. Muitos sequer sabem o que isso significa, e aceitá-los ou não pode alterar a experiência das navegações futuras na internet. Além disso, esse recurso ajuda a economizar tempo em sessões que requerem autenticação de usuário.

Dessa forma, podemos entender os cookies na internet como sendo pequenos trechos de códigos inseridos na programação de um site, capazes de armazenar informações. Podem ser dados sobre o acesso a um sistema (como uma rede social) ou outros variáveis, como tempo de sessão e páginas visitadas.

É por isso que após o primeiro acesso a um site que precisa do fornecimento de login e senha, os dados não precisam mais ser digitados, pois ficam armazenados. Assim, economiza um tempo útil, que seria gasto digitando a informação novamente. Além disso, campanhas de marketing orientadas a dados podem se valer dessas informações também.

Para que servem os cookies?

Os cookies são usados para diferentes finalidades. O objetivo dependerá do tipo de cookie utilizado. Sendo assim, podemos citar aqueles que são destinados à sessão em curso de um usuário que está navegando na internet. Os dados são armazenados apenas enquanto a atividade permanece. Logo depois que o navegador é fechado, todos os dados são descartados.

Já os cookies permanentes são armazenados em disco rígido, ou seja, no HD do computador. Eles têm uma data de expiração já definida, e somente são apagados antes se o usuário assim o fizer. Servem para fazer a coleta de informações acerca das páginas visitadas, a fim de identificar um padrão de navegação.

Por fim, existem os cookies chamados de maliciosos. Eles acabam por acompanhar a atividade online do usuário para traçar um perfil de interesse. Dessa forma, as preferências desse usuário são armazenadas e podem ter uma finalidade comercial. Empresas de publicidade podem comprar esses dados para direcionar melhor suas campanhas e, assim, obter maiores taxas de conversão de seus produtos e serviços.

Como os cookies na internet e a nova LGPD se relacionam?

A Lei Geral de Proteção de Dados já em vigor no país trouxe à luz a discussão sobre diversos aspectos sobre os dados pessoais, como coleta, armazenamento e compartilhamento. Isso quer dizer que as preferências de navegação (armazenadas pelos cookies) também são passíveis de enquadramento na legislação, estando sujeitas às suas determinações.

O principal aspecto em relação a esse tema, e que impacta o uso de cookies na internet, diz respeito ao consentimento do usuário para que tais informações sejam coletadas, armazenadas e (eventualmente) compartilhadas. É preciso que a pessoa que esteja navegando na página esteja ciente sobre tal procedimento. A opção de aceitar ou não precisa ser oferecida para que a escolha seja feita.

Outro ponto importante em relação ao consentimento é que um simples botão de sim ou não pode não ser suficiente. Segundo a lei, o usuário deve ser claramente informado sobre os objetivos com a coleta de suas informações por meio dos cookies: finalidade de utilização, tempo de armazenamento e se haverá compartilhamento ou não.

Vale ressaltar que esses termos precisam ser claros e de fácil entendimento, além de prever a mudança na escolha a qualquer tempo. Por fim, é preciso dar atenção ao fato de que o usuário poderá escolher se os dados permanecem armazenados ou não.

Os sites que fazem uso de cookies também precisam disponibilizar aos navegantes a opção de exclusão das informações. Assim, além de decidir pela eventual interrupção da coleta de dados, o usuário pode requisitar que eles sejam excluídos da base do proprietário do site em questão.

De que forma é possível se adequar em relação ao uso de cookies na internet?

Quando a lei é tratada em sua forma mais ampla, diversos aspectos precisam ser observados no que diz respeito aos procedimentos tidos com os dados dos usuários. Em se tratando de sites que usam cookies, a atenção maior deve ser relacionada ao consentimento que o navegante precisa sinalizar sobre as informações de suas atividades.

Sendo assim, para um site atender aos princípios conhecidos como “base legal da LGPD”, aspectos como transparência e tratamento das informações precisam estar bastante claros. Na prática, isso significa que o usuário precisa ser informado sobre todas as ações tomadas em relação a sua navegação, e deve ser dada a opção de aceitar ou não esse tipo de tratativa.

Como forma de automatizar o procedimento para cumprir a lei, os sites podem suar recursos muito intuitivos, que facilitam a adequação à LGPD. Um deles é o aviso de cookies. Ele funciona por meio de banners personalizados e serve para advertir o usuário de que seus dados podem ser coletados.

Botões de consentimento ou recusa precisam estar presentes. Junto a isso, todos os termos que sinalizam a finalidade do uso devem constar como parte integrante da política de coleta de dados.

Os cookies na internet são ferramentas bastante úteis para os proprietários de sites. Eles são usados para a veiculação de campanhas publicitárias vinculadas a uma grande base de dados, alcançando quem verdadeiramente importa. Para o usuário, facilita a navegação, ao passo que seus dados não precisam ser sempre digitados novamente. O ponto de atenção fica por conta do atendimento à LGPD, que elenca critérios firmes quanto ao tratamento das informações dos usuários.

Gostou do conteúdo? Então aproveite e fale conosco para saber mais sobre as regras da nova LGPD!

Receba todas novidades


    Veja mais conteúdos: